Pular para o conteúdo

Clínicas Fresenius levam atividades lúdicas aos pacientes

| Notícias locais

Engana-se quem pensa que em clínicas de diálise não pode existir momentos de descontração e felicidade. Apesar de ser um ambiente no qual os pacientes realizam semanalmente tratamentos intensivos, é possível, sim, levar alegria a eles.  Essa é a proposta do Clube Clínica,  iniciativa que visa humanizar o tratamento com atividades lúdicas e interativas pelas 33 clínicas  Fresenius no Brasil, sendo o bingo a ação mais aguardada entre as pessoas em diálise. 

Mensalmente, as unidades realizam, na primeira semana do mês, o bingo com a participação dos pacientes. Todos aguardam ansiosamente pela atividade, seja por conta da diversão ou por ela reunir os pacientes, criando um espaço de descontração.

Segundo Fátima Gomes, Coordenadora Nacional de Projetos Sociais, o bingo proporciona não só um momento de recreação, ele torna o espaço da clínica mais leve. “Nós desejamos desconstruir esse ambiente de doença, voltado apenas para o tratamento. Queremos proporcionar um local mais tranquilo, e que o paciente tenha prazer em estar”, afirma.

Ação contribui com a assiduidade dos pacientes das clínicas Fresenius

As ações desenvolvidas nas clínicas foram criadas, também, como uma forma de estimular a presença dos pacientes nos dias de tratamento. Ao analisarem o quadro de presença, os Assistentes sociais e Psicólogos perceberam que às quartas e às quintas são os dias com maior índice de faltas, com isso, propuseram a realização dos bingos nesses dias. "É uma maneira de incentivá-los a comparecer à diálise", pontua a Coordenadora.

Além disso, o momento é destinado para a promoção da saúde, com a participação da equipe multidisciplinar que passa informações enquanto cantam as pedras. “Como profissionais de saúde, devemos levar conhecimento e orientação a todos. Utilizamos essas ações para fornecer tudo o que o paciente precisa saber sobre o tratamento, assim como, transmitir recados relevantes”, acrescenta.

“O objetivo da atividade não é o prêmio, ele é coadjuvante. Nesse instante eles esquecem do tratamento e se entregam ao momento ao realizar uma atividade prazerosa”, finaliza Fátima.