Websites de outros países:

Atenção

Isenção de responsabilidade: a informação que está página contém é destinada exclusivamente aos profissionais de saúde.

Nem todos os produtos estão disponíveis para venda em todos os países onde a Fresenius Medical Care está presente. Se deseja obter mais informações, por favor, entre em contato conosco.

Série F

Dialisadores Série F

Nem todas as polissulfonas são como a Polissulfona Fresenius®

  • Segurança, qualidade e eficiência comprovadas da Polissulfona Fresenius®
  • O padrão de referência original em biocompatibilidade
  • Esterilizado por vapor INLINE
  • Disponível nas variedades de baixo fluxo e alto fluxo

Principais características

Tecnologia

Esterilização a vapor INLINE – garantia de pureza

Processo de esterilização a vapor INLINE dos dialisadores da Série F. O diagrama exibe um exemplo de uso com os dialisadores FX.

Esterilização a vapor INLINE – os benefícios

Testes de integridade das fibras

Qualidade do início ao fim

  • Os dialisadores de Polissulfona® Fresenius são produzidos a partir das mais rigorosas normas internacionais de segurança
  • A competência essencial da Fresenius Medical Care é a produção completa desde membranas até dialisadores acabados, garantindo a mais alta qualidade durante todas as etapas da produção

Dados de desempenho

Dialisadores de baixo fluxo – Vapor de alto desempenho (HPS)

Dialisadores de alto fluxo

Conteúdo relacionado

1 Krieter DH, Sauer N, Stanic D, Reinhardt B, Lemke HD, Tetta C, Kliem V: Biocompatibility of the new DIAPES LF 100 low flux dialysis membrane. Blood Purification 20: 498-520, 2002.
2 Schäfer RM, Hörl WH, Gilge U, Konrad G, Heidland A : Biocompatibility profile of the Polysulfone 400 membrane. In: Contributions to Nephrology, Karger, Basel, 74: 43-51, 1989.
3 Hakim R: Clinical implications of hemodialysis membrane biocompatibility. Kidney International 44: 484-494, 1993.
4 Debrand-Passard A, Lajous-Petter A, Schmidt R, Herbst R, von Baeyer M, Krause AA, Schiffl M: Thrombogenicity of dialyser membranes as assessed by residual blood volume and surface morphology at different heparin dosages. In: Contributions to Nephrology, Karger, Basel, 74: 2-9, 1989.
5 Hoenich NA, Woffindin C, Cox PJ, Goldfinch M, Roberts SJ: Clinical characterisation of DICEA a new cellulose membrane for haemodialysis. Clinical Nephrology 48: 253-259, 1997.
6 Weber V, Linsberger I, Rossmanith E, Falkenhagen D. Pyrogen transfer across high- and low-flux hemodialysis membranes. Nephrology Dialysis Transplantation 18, Suppl. 4 : T451, 2003.