Pular para o conteúdo

Controle de volume em diálise peritoneal

Médico segurando um filtro

Uma maneira prática de avaliar e ajudar a corrigir o estado dos fluidos

  • Avaliar rapidamente a condição dos fluidos e reconhecer a tendência
  • Fazer alterações terapêuticas antecipadamente
  • Utilizar sem esforço uma gama mais ampla de ferramentas práticas de controle de volume

Principais características

Controle de volume — três etapas para um melhor controle de volume

etapas para um melhor controle de volume
Monitor de Composição Corporal (BCM)
Monitor de Composição Corporal (BCM)

Avaliar a condição e a tendência

Avaliar rotineiramente a condição dos fluidos

Fácil de usar, o Monitor de Composição Corporal (Body Composition Monitor - BCM) é um reforço poderoso à avaliação de rotina de seus pacientes e está se tornando um padrão nos principais centros de DP.

Fornecendo a você uma imagem mais precisa da condição real dos fluidos, por meio da hiper-hidratação quantificada, essa tecnologia de última geração ajuda você a gerenciar melhor a condição dos fluidos de seus pacientes.

Analisar a tendência da condição dos fluidos

O Monitor de Composição Corporal pode ser utilizado com eficácia para monitorar continuamente as mudanças e a tendência da condição dos fluidos ao longo do tempo. A análise de tendências pode fornecer um importante feedback e orientação sobre a tomada de decisões terapêuticas por você e por sua equipe.1

Melhora da condição do volume como resultado do conhecimento2

Melhora do status do volume
Grupo 1: Pacientes e enfermeiras não foram informados sobre a condição de sua hidratação. Quadros adaptados a partir da publicação original
Melhora do status do volume
Grupo 2: Pacientes e suas enfermeiras não foram informados sobre a condição de sua hidratação.

Avaliar primeiro a ingestão de fluidos

Na avaliação das causas de desequilíbrio dos fluidos, é fundamental realizar primeiro a triagem de causas reversíveis. Qualquer melhora em conformidade com a ingestão facilita a correção geral de desequilíbrio de fluidos.

Use o poder do conhecimento para conseguir melhor adesão dos pacientes. O Controle de Volume P3 recomenda uma abordagem que seja fácil para seu pessoal e ainda mais fácil para seus pacientes.

Melhorar a adesão à ingestão de fluidos

Um estudo randomizado controlado com o Body Composition Monitor (BCM) mostrou resultados conclusivos. Em três meses de acompanhamento, os pacientes que tinham conhecimento do estado de seus fluidos, fornecidos pelo Body Composition Monitor (BCM), atingiram um controle de volume significativamente melhor. Como resultado, as instâncias de hiper-hidratação diminuíram, simplesmente aumentando o conhecimento do paciente.2

Reg. ANVISA/MS nº80133950078

Estudo

Estudo sobre o EuroBCM mantendo a euvolemia na DP

Resultados do estudo sobre o EuroBCM1

Com 639 pacientes de 28 centros em 6 países:

  • 40% foram normo-hidratados
  • 7% foram desidratados
  • 53% foram hidratados em excesso

Fatores importantes a serem considerados no estado dos fluidos:

  • A UF isoladamente pode induzir ao erro na avaliação da condição dos fluidos dos pacientes.
  • O estado dos fluidos resulta principalmente do equilíbrio entre a ingestão e a saída ao longo do tempo. Para melhorar a condição dos fluidos de um paciente, ambos os lados devem ser controlados, para determinar a tendência da condição dos fluidos.
  • A pressão arterial pode ser um parâmetro enganoso para avaliar o estado dos fluidos e pode induzir a decisões falsas de terapia. 

O estado dos fluidos resulta principalmente do equilíbrio entre a ingestão e a saída ao longo do tempo.

Equilíbrio da condição dos fluidos
Conteúdo relacionado

1 Van Biesen W, Williams JD, Covic AC, Fan S, Claes K, et al. (2011) Fluid Status in Peritoneal Dialysis Patients: The European Body Composition Monitoring (EuroBCM) Study Cohort. PLoS ONE 6(2): e17148. doi:10.1371/journal.pone.0017148

2 Luo Y, Lu X, Woods F, Wang T. Volume Control in Peritoneal Dialysis Patients Guided by Bioimpedance Spectroscopy Assessment. Blood Purification 2011;31:296-302.

3  Fischbach M, Issad B, Dubois V, and Taamma R. The beneficial influence on the effectiveness of automated peritoneal dialysis of varying the dwell time (short/long) and fill volume (small/large): randomized controlled trial. Peritoneal Dialysis International 2011; 31(4):450-8.

4 Kim S, Oh J, Kim S, Chung W, Ahn C, Kim SG, Oh KH. Benefits of biocompatible PD fluid for preservation of residual renal function in incident CAPD patients: a 1-year study. Nephrol Dial Transplant 2009;24(9):2899-90.

5 Haag-Weber M, Krämer R, Haake R, Islam MS, Prischl F, Haug U, Nabut JL, Deppisch R. Low-GDP fluid (Gambrosol trio) attenuates decline of residual renal function in PD patients: a prospective randomized study. On behalf of the DIUREST Study Group. Nephrology Dialysis Transplantation 2010;25(7):2288-96.

6 Williams JD, Topley N, Craig KJ, Mackenzie RK, Pischetsrieder M, Lage C,Passlick-Deetjen J; Euro Balance Trial Group. The Euro-Balance Trial: the effect of a new biocompatible peritoneal dialysis fluid (balance) on the peritoneal membrane. Kidney International 2004;66(1):408-18.

7 Weiss L, Stegmayr B, Malmsten G, Tejde M, Hadimeri H, Siegert CE, Ahlmén J, Larsson R, Ingman B, Simonsen O, van Hamersvelt HW, Johansson AC, Hylander B, Mayr M, Nilsson PH, Andersson PO, De los Rios T. Biocompatibility and tolerability of a purely bicarbonate-buffered peritoneal dialysis solution. Peritoneal Dialysis International 2009;29(6):630-633.

8 Rippe B, Simonsen O, Heimbürger O, Christensson A, Haraldsson B, et al. Long-term clinical effects of a peritoneal dialysis fluid with less glucose degradation products. Kidney International 2001;59(1):348-57.