Websites de outros países:

Diálise em casa

Levando uma vida independente e ativa apesar da doença renal.

A paciente de diálise Paula Lourenço mostra como é possível, graças à hemodiálise em casa, levar uma vida ativa e independente, que combina trabalho, família e lazer.

Às vezes, quando caminha na praia com seu parceiro, os pensamentos de Paula Lourenço se desviam para os litorais longínquos da África. Ela imagina leões, bestas selvagens e girafas correndo livres pela savana aberta. Seu maior sonho é fazer um safari no Quênia, mas está fora de cogitação neste momento, pois ela retornou à diálise nos últimos anos. Nessas circunstâncias, a África simplesmente está longe demais.

Paula Lourenco

Liberdade para o trabalho e o lazer

Ainda assim, Paula Lourenço conseguiu criar para si um elevado grau de liberdade. Por exemplo, apesar da diálise, ela continua trabalhando em tempo integral como assistente na 1ª Escola de Engenharia de Lisboa. Seu trabalho consiste em realizar pedidos junto aos fornecedores e a supervisão dos contratos. Há muita responsabilidade envolvida e, após 18 anos, é difícil substituir o conhecimento dela. Isso também quer dizer que seu expediente pode ser longo. Porém, Paula Lourenço também é flexível em suas horas vagas e não deixa de arrumar tempo para as coisas que gosta de fazer, tais como culinária, quebra-cabeças ou natação. Nos finais de semana, ela até viaja uma longa distância até a região de Alentejo, com seu parceiro, onde ele tem uma chácara e cuida da horta. E em breve, ela gostaria de investir tempo aprendendo a difícil arte de fazer tapetes de arraiolo, uma tradição trazida pelos Mouros, muito valorizada em Portugal.

Paula Lourenco está caminhando

Introdução da terapia de diálise na vida cotidiana

Paula Lourenço consegue fazer essas coisas somente porque optou pela hemodiálise em casa. Ela não precisa ir a uma clínica três vezes por semana no mesmo horário; ela pode introduzir o tratamento de diálise em sua rotina com mais flexibilidade. “À noite, em vez de assistir à televisão na sala de estar, eu a assisto no quarto, onde fica a máquina de diálise”, diz ela. Desde o programa de treinamento de quatro meses, Paula Lourenço já concluiu cerca de 500 sessões de hemodiálise em casa. Seu parceiro a ajuda com isso. “Sem ele, eu não conseguiria fazer o tratamento”, admite Paula. Felizmente, eles têm bastante espaço para preparar um quarto esterilizado exclusivo, grande o bastante para acomodar a máquina de diálise.

Diálise de Paula Lourenço
Paula Lourenço

É preciso ser muito responsável e prudente para fazer esse tipo de tratamento.

Paula Lourenço
Paciente de diálise

O sonho de viajar à África

A solução está perfeitamente adaptada a sua vida privada e profissional. É fácil para ela reunir a disciplina necessária para sua dieta, peso e controle de fluido, porque fez isso a vida toda. Paula foi diagnosticada com doença renal quando tinha apenas sete anos de idade. Desde os 12 anos, experimentou várias formas de diálise, até receber um rim de um doador quando estava com 18 anos. Conseguiu viver com ele por 21 anos. Agora, ela voltou para a lista de transplante. Se você perguntar à Paula Lourenço qual é seu sonho, ela não precisa pensar duas vezes: “Um safari na África seria bom demais”.

Paula Lourenco

Conteúdo relacionado